História do Passat no Brasil

História do Passat no Brasil.

Em 1974 chegava em terras brasileiras o Passat, fabricado pela montadora Volkswagen, o modelo foi o primeiro carro nacional da marca a vir com motor refrigerado a água. Em 1973, o mesmo modelo foi lançado na Alemanha, mas apenas no ano seguinte ele chegou ao brasil, em meados de junho de 74.

História do Passat no Brasil

A história do Passat no Brasil é fantástica e agora você vai ter acesso a essa história nesse artigo.

História do Passat no Brasil

O Passat era oferecido na versão apenas com duas portas, básica, luxo e superluxo. O motor refrigerado a água era a sensação para época, circuito de freios autuando em sistema duplo diagonal, motor 1.5, 65 cv de potência e vinha com tração dianteira e estrutura monobloco, que até então era exclusivo de modelos como a Kombi. Ele possuía todas as características básicas dos modelos Volkswagen brasileiros até então.

No final do mesmo ano de seu lançamento, a montadora já lançava no mercado a versão com 4 portas, ampliando as possibilidades de escolha para o seu público. Mesmo com essa evolução, o consumidor brasileiro continuava resistente aos modelos de 4 portas, fazendo com que poucas unidades fossem comercializadas. Mas ainda assim, o Passat conquistou seu primeiro título de “carro do ano” em 1975 concedido pela revista Auto Esporte. Hoje em dia, encontrar um modelo do Passat com 4 portas é raridade, quem tem não desfaz, mas na época de seu lançamento o sucesso foi baixo.

Versões

Em 1976, a Volkswagen lançou a versão TS (Touring Sport), que era a versão esportiva do Passat, com motor 1.6, 80 cv de potência, carburador Solex, faróis redondos, faixa preta na lateral, já no interior o volante possuía design esportivo, console equipado com voltímetro, relógio, manômetro de óleo e conta giros. Esse ano foi o mais marcante para o Passat, a versão esportiva foi sucesso de vendas, principalmente entre o público jovem, que fez com que ele se transformasse no sonho de consumo da juventude da época.

Ainda no ano de 76, foi lançada a versão 3 portas, nas opções luxo e superluxo. A capacidade da tampa traseira era muito ampla, possibilitava rebater o banco traseiro e aumenta-la ainda mais. Com isso o Passat tinha capacidade de carga aumentada para 610 litros.

O tempo passava e o Passat continuava sendo um grande sucesso de vendas e de público, com isso a montadora resolveu investir ainda mais no modelo e lançou mais duas verões a LSE (Luxo Super Executivo) e a Surf.

O Passat LSE foi durante muito tempo considerado o carro mais luxuoso da Volkswagen, possuía a mesma frente com os quatro faróis redondos do TS e motor 1.6. O interior era sofisticado, com melhor acabamento, detalhes como apoio de braço central no banco traseiro, o mesmo console do TS e vinha com ar-condicionado. Já a versão Surf, ao contrário da LSE, era uma versão bastante simplificada do Passat, com isso era também mais acessível, com toque esportivo, motor 1.5, alguns acessórios e design bonito.

Os altos e baixos

No ano de 1980, o Passat foi eleito pela segunda vez o “carro do ano” pela revista Auto Esporte, mais uma prova de que o modelo era realmente uma aposta de sucesso da montadora.

Em 1985 a  história do passat no Brasil começava a chegar ao fim e o declínio do Passat já podia ser sentido, as vendas caíram, outros modelos foram surgindo, novas tecnologias e acessórios que acompanhavam as mudanças da época foram ganhando espaço.

No final de 1988, a Volkswagen suspendeu a produção do Passat no Brasil, em 14 anos de produção e muito sucesso, foram fabricadas 897.829 unidades no total e 676.819 unidades foram apenas para o Brasil.

Comentários